domingo, 30 de março de 2014

Resenha: Os Judeus do Papa

Livro: Os Judeus do Papa
Autor: Gordon Thomas
Editora: Geração Editorial
Compre: Saraiva
Sinopse: A II Guerra Mundial eclodiu na Europa. O exército nazista avan­ça pelo continente anexando e massacrando, deixando o rastro de sangue que marcou o século XX. No Vaticano, o papa Pio XII observa os horrores dos combates e tem que definir a posi­ção da Igreja perante o mundo. Mas ele não declara repúdio a Hitler nem se coloca ao lado dos Aliados — simplesmente silencia e a História lhe confere o título de papa omisso.

Por trás do silêncio havia um segredo agora revelado por documentos ofi­ciais secretos. Pio XII organizou uma ampla rede de ajuda humanitária para os judeus de toda a Europa. Sob orientação dele, padres e freiras arriscaram a vida fornecendo abrigo nos mosteiros e conventos a milhares de judeus. Pio XII doou ouro do próprio Vaticano para ajudar os judeus romanos e es­condeu milhares deles em sua residência de verão, enquanto Roma era ocupa­da e bombardeada pelos alemães.

Os judeus do papa é um dos melhores livros históricos já escritos. Baseado em uma rica pesquisa documental, é uma obra indispensável aos leitores que querem entender o que realmente aconteceu em Roma sob a liderança do injustiçado papa Pio XII.


Resenha: Entre as questões mais controversas na historiografia do Holocausto é a resposta do Papa Pio XII para a deportação e extermínio dos judeus. Ele foi o papa que, segundo a diplomata israelense Pinchas Lapide, foi "fundamental para salvar pelo menos 700 mil judeus da morte certa... em mãos dos nazistas" ou o pontífice, que, de acordo com a italiana sobrevivente de Auschwitz Settimia Spizzichino, em um documentário da BBC de 1995, declarou: "...Eu perdi minha mãe, duas irmãs, um irmão e minha sobrinha. Pio XII poderia ter nos avisado sobre o que iria acontecer. Ele nos jogou bem nas mãos dos alemães... ele era um papa antissemita... ele não tomou um único risco. E quando eles dizem que o papa é como Jesus Cristo, não é verdade. Ele não salvou uma única criança. Nada".

O livro em análise é a mais recente adição à controvérsia que tem colocado os historiadores em sua maioria católicos no argumento em curso sobre se o papa, ao ordenar o uso de conventos e mosteiros como santuários para judeus, tinha feito tudo ao seu alcance para enfrentar os perpetradores do Holocausto nazista. Incidindo sobre os acontecimentos que levaram à deportação de judeus de Roma, Thomas, um autor prolífico, baseou-se em fontes secundárias em sua maioria, entrevistas e documentos do Vaticano para defender o registro de Pio XII durante a Shoah. Ao descrever a relação de Pio XII com a comunidade judaica de Roma. 

A narrativa Thomas é fascinante, flui de uma forma surpreendente, que quando você para de ler, já esta praticamente no final do livro. Você o lê como um romance, em vez de uma obra de estudo, relaciona as decisões em curso em relação aos judeus feita pelo Papa Pio XII, que é, aliás, em vias de ser elevada à santidade. Ele cita as ordens do papa para abrir portas do convento e mosteiro para abrigar judeus, emissão de passaportes do Vaticano que permitiram milhares de judeus alemães de deixar a Alemanha nazista, e exibindo seus esforços diplomáticos para proteger os judeus de Roma da deportação após a ocupação nazista da cidade.

Thomas revela que o plano do papa não era denunciar publicamente os excessos dos nazistas. Para isso, afirma Thomas, "destruiria uma estratégia eficaz para proteger os judeus e dar-lhes uma oportunidade de escapar da tirania nazista... a estratégia era silêncio. Qualquer forma de denúncia em nome do Vaticano, inevitavelmente, provocar novas represálias contra os judeus".

O "Silêncio" de Pio, no entanto, era ensurdecedor durante a deportação dos judeus de Roma, para Auschwitz e outros campos de extermínio. Thomas recria a agonia e o desespero, o agrupamento nazista e a deportação dos judeus de Roma, que ocorreram quase debaixo da janela do papa, elevando, assim, a pergunta por que ele não tinha avisado aos judeus que o extermínio em massa estava prestes a acontecer? A estratégia do papa de silêncio também não explica outras questões relacionadas com a sua resposta à guerra de Hitler contra os judeus: Quando ficou claro que a estratégia de "silêncio” não foi eficaz, por que o Papa enviou uma encíclica condenando o Holocausto? Por que ele não excomungar os católicos nazistas, incluindo Hitler e Himmler?

Os Judeus do Papa é uma obra de arte realista e emocionante, que deve ser lida e relida. Um livros sério, fascinante e instigante. 

É difícil explicar em palavras o quanto este livro é importante para a história e para quem quer entender um pouco mais sobre os acontecimentos. Esta obra é mais que recomendável e mais que cinco estrelas. 

Detalhes:
Título: Os Judeus do Papa
Autor: 
Gordon Thomas
ISBN: 9788581301273
Tradutor: Marco Aurelio Schaumloeffel
Idioma: Português
Tipo de Capa: Brochura
Edição: 2ª edição
Número de Páginas: 312
Fabiana & Diego

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre Nós

PaperTowns

Criado em Março de 2013, o The Paper Towns surgiu como um simples blog voltado para o mundo da literatura. A proposta do The Paper Towns é, sem dúvida, criar entretenimento literário diversificado e diferenciado para seus leitores. Temos como objetivo, informar, dar opiniões, resenhar, tudo relacionado com o mundo literário.




Facebook

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *