sábado, 27 de fevereiro de 2016

Resenha:Toda Luz que não Podemos Ver de Anthony Doerr


Livro: Toda luz que não podemos ver
Autor: Anthony Doerr
Editora: Intrínseca
Compre: Amazon
Sinopse: Marie-Laure vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é o chaveiro responsável por cuidar de milhares de fechaduras. Quando a menina fica cega, aos seis anos, o pai constrói uma maquete em miniatura do bairro onde moram para que ela seja capaz de memorizar os caminhos. Na ocupação nazista em Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo o que talvez seja o mais valioso tesouro do museu.

Em uma região de minas na Alemanha, o órfão Werner cresce com a irmã mais nova, encantado pelo rádio que certo dia encontram em uma pilha de lixo. Com a prática, acaba se tornando especialista no aparelho, talento que lhe vale uma vaga em uma escola nazista e, logo depois, uma missão especial: descobrir a fonte das transmissões de rádio responsáveis pela chegada dos Aliados na Normandia. Cada vez mais consciente dos custos humanos de seu trabalho, o rapaz é enviado então para Saint-Malo, onde seu caminho cruza o de Marie-Laure, enquanto ambos tentam sobreviver à Segunda Guerra Mundial.

Uma história arrebatadora contada de forma fascinante. Com incrível habilidade para combinar lirismo e uma observação atenta dos horrores da guerra, o premiado autor Anthony Doerr constrói, em Toda luz que não podemos ver, um tocante romance sobre o que há além do mundo visível.


ResenhaO romance de Anthony Doerr "Toda a luz que não podemos ver" é um daqueles livros raros que é realmente difícil de largar. Enquanto a maioria dos livros que se encaixam nessa categoria são thrillers de adrenalina que nos impedem de largar porque precisamos saber o que vai acontece em seguida, "Toda a Luz que não podemos ver" é emocionante para além de uma trama cheia de ação.

Em "Toda a Luz que não podemos ver", Anthony Doerr pinta pessoas comuns tão ricamente, que torna possível compreender a Segunda Guerra Mundial em uma luz mais humana.

"A mente está sempre vagueando em direção à ambiguidade, às indagações, quando o que vocês realmente precisam é de certezas."

O romance é ambientado durante a segunda guerra mundial, e segue dois personagens principais: Werner, um jovem engenheiro de rádio que é forçado a usar seus dons inigualáveis ​​para a causa de Hitler, e Marie-Laure, uma jovem francesa, cega, cujo pai orienta-la para o mundo, só para ter esse mundo quebrado. Assim, o livro é sobre o que há além do mundo visível e é sobre viver sem visão em um mundo belo e muitas vezes aterrorizante.

As vidas dos personagens são dilaceradas pela violência inimaginável da Segunda Guerra Mundial. Doerr usa este cenário violento para nos mostrar mais sobre seus personagens do que seria possível ver de outra forma. 


"Abram os olhos e vejam o máximo que puderem antes que eles se fechem para sempre."

É o que Doerr revela através deste cenário violento que torna o livro tão impressionante. Os personagens de Doerr são maravilhosos; eles são sutis, crível, surpreendente e inspirador. Doerr nos dá personagens simpáticos que estão cheios de esperança e potencial. A maioria dos personagens principais veem o mundo com admiração, com esperança. Mas o regime de Hitler rasga seus mundos, e os personagens são levados de suas razões de esperança e felicidade, pata o total desespero, para odiar, para desistir. Irmãos são dilacerados, pais e amigos e avós estão presos ou mortos, as casas são roubados ou destruídas em um instante, os talentos são dobrados para propósitos malignos. Doerr ilustra esse lado do mundo perfeitamente.

Mas é neste contexto que Doerr nos mostra a luz que está lá, mesmo quando não podemos vê-la. Ele nos convence, sem diretamente dizer isso, que estas coisas, edifícios, música e livros são muito mais poderosos do que a escuridão mais profunda jamais poderia ser.

"Todo efeito tem sua causa, e todo problema tem sua solução. Toda fechadura tem sua chave."

"Toda a luz que não podemos ver" nos mostra bravura florescendo em formas grandes e pequenas. A menina cega aprende a navegar em um mundo com visão, aprende a reconhecer a verdade e a manipulação, ver o que outros não podem. Um soldado alemão gradualmente aprendendo que a dignidade humana e de amor e amizade são mais importantes do que a vida ou a perspectiva de tortura. Um pai, cuja vida inteira foi dada a cada dia ao serviço da filha cega cujo futuro é mais promissor do que ela jamais poderia imaginar.

Estas imagens são poderosas. Doerr nos mostra toda violência e, em seguida, enriquece por meio de atos sutis de bravura e amor e o prazer do mundo e um compromisso com o valor da humanidade, à preeminência de amor.

"Você não quer se sentir vivo antes de morrer?"

Este é o poder de ler ficção. Podemos não estar vivendo através das condições da Segunda Guerra Mundial ou venhamos a possuir uma pedra preciosa amaldiçoada, mas nós precisamos entender melhor a condição humana, a valorizar a vida que nos foi dada, a amar as pessoas que foram dotado para nós. A luz está lá, nós a enxergando ou não. E é possível resumir a vida como um processo de vir a reconhecer toda a luz que não podemos ver.

E é de nenhuma maneira um conto de fadas. É sobre a cegueira, e como a bondade em nós melhor prevalece quando não podemos ver o valor material que dá origem a ganância. É sobre segredos e medo e tristeza. É sobre a guerra, e a forma como ele devora jovens soldados. É sobre os presos, as vítimas, as pessoas comuns que perderam tudo. E é sobre a culpa e a possibilidade de redenção.


"Quem sabia que o amor poderia matar?"

Tudo o que você tem ouvido de "Toda a Luz que não Podemos Ver" é verdade, este é um livro que tem o dom de mudar as pessoas, de transforma-las. A escrita de Anthony Doerr é doce e sincera. Este é sem duvida alguma um dos melhores livros que li na minha vida.

Detalhes:

Título: Toda luz que não podemos ver
Autor: Anthony Doerr

Tradução: Maria Carmelita Dias
ISBN: 978-85-8057-697-9
Tipo de Capa: Brochura
Número de Páginas: 528

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre Nós

PaperTowns

Criado em Março de 2013, o The Paper Towns surgiu como um simples blog voltado para o mundo da literatura. A proposta do The Paper Towns é, sem dúvida, criar entretenimento literário diversificado e diferenciado para seus leitores. Temos como objetivo, informar, dar opiniões, resenhar, tudo relacionado com o mundo literário.




Facebook

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *