segunda-feira, 1 de maio de 2017

Resenha: A Química Que Há Entre Nós de Krystal Sutherland



Livro: A Química Que Há Entre Nós
Autor: Krystal Sutherland
Editora: Globo Alt
Compre: Amazon
Sinopse: Grace Town é esquisita. E não é apenas por suas roupas masculinas, seu desleixo e a bengala que usa para andar. 

Ela também age de modo estranho: não quer se enturmar com ninguém e faz perguntas nada comuns. 


Mas, por algum motivo inexplicável, Henry Page gosta muito dela. E cada vez mais ele quer estar por perto e viver esse sentimento que não sabe definir.



Resenha

AMOR EM MUITAS FORMAS

No primeiro capítulo, Henry, o protagonista, apresenta “A Química Que Há Entre Nós” como uma espécie de história de amor. Uma típica história de amor. É também um livro notável e eloqüente sobre desgosto e amor em várias formas - romântico, amigável, divertido, e assim por diante.

Quando Grace entra na vida de Henry ela está absolutamente quebrada. Ela é uma sombra de quem ela costumava ser. Como esperado, Henry tenta juntá-la novamente. Nesse processo, ele descobre que é preciso mais do que amá-la.

AMIGOS ESTRANHOS SÃO AMIGOS PARA A VIDA

Murray e Lola são hilariantes melhores amigos de Henry. Murray particularmente tem peculiaridades estranhas e é assumidamente obcecado pela sua ex. Isto traz um bom número de momentos cômicos. Adicione o fato de que ele é australiano e usa expressões que o resto não entende.

Lola e Henry também têm uma grande dinâmica. Que pena para Henry que depois de seu primeiro beijo com ela anos atrás, ela assumiu ser lésbica. Então, sim, leitores em busca de livros que contenham um elenco diverso, adicione 
"A Química Que Há Entre Nós" em sua lista!

Eu me apaixonei completamente pelos personagens de 
"A Química Que Há Entre Nós". O que foi mais espetacular sobre eles foi o quão único cada um deles foi. Todos eles tinham suas peculiaridades e imperfeições, características distintivas, e havia momentos em que eu queria abraçá-los ou bater-lhes. Havia também bastante representação neste romance, que era lindo de se ver. Mas o que eu mais gostava dos personagens era o modo como interagiam uns com os outros. As piadas que eles fizeram, a maneira como ambos se incomodavam e se apoiavam uns aos outros, e como eles se sentiam tão vivos e reais, faziam parte do que tornou este livro tão extraordinário. Eu senti como se estivesse conhecendo pessoas reais . Estes não são apenas personagens unidimensionais que poderiam ser claramente categorizados ou inseridos em um estereótipo particular. Suas vidas eram confusas e complicadas, e foi isso que me fez me conectar com eles da maneira que eu fiz.

INTROSPECÇÃO

Em meio à tristeza e risos, eu gosto que "A Química Que Há Entre Nós" é consideravelmente introspectivo. Morte e sofrimento são tratados com a devida profundidade. Embora eu pensasse que os mecanismos de enfrentamento de Grace eram gravemente insalubres.

O que 
"A Química Que Há Entre Nós" retrata especialmente bem é a diferença entre amar uma pessoa e amar a idéia de uma pessoa. Como podemos ter certeza de que conhecemos uma pessoa? Em que ponto estamos projetando a pessoa ideal? O eu passado pode ser apagado ou permanece parte do eu presente?

...

Talvez o aspecto mais importante de "
A Química Que Há Entre Nós" fosse a ênfase na diferença entre se apaixonar por uma pessoa e se apaixonar pela ideia de uma pessoa. Dessa forma, lembrava muito "Cidades de Papel" de John Green, pelo qual o protagonista acha que ama uma garota quando ele realmente não sabe quem ela é - ele está simplesmente apaixonado pela ideia dela e pelo mistério que parece cercá-la. A dose de realidade oferecida por esse romance nos permitiu perceber como nos apaixonamos com tanta frequência com a pessoa que queremos ver, não com quem elas realmente são. Talvez esse seja o tipo de amor mais perigoso de todos. Não é apenas perigoso porque você vai acabar caindo para alguém que não existe, mas também porque isso efetivamente objetifica a pessoa que você anexou uma imagem e faz deles o produto de sua imaginação.

Em última análise, 
"A Química Que Há Entre Nós" é um retrato realista e honesto de amor e desgosto que permite ao leitor perceber a diferença entre se apaixonar por uma pessoa e se apaixonar com a ideia de uma pessoa. Não só foi este um dos meus livros favoritos do ano , é um livro cujos personagens únicos e mensagens eternas vai ficar comigo por um longo tempo.

Detalhes:

Título: A Química Que Há Entre Nós
Autor (a): Krystal Sutherland
Tradução: 
Alexandre Raposo
ISBN: 
978-85-510-0140-0
Tipo de Capa: Brochura
Número de Páginas: 336

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre Nós

PaperTowns

Criado em Março de 2013, o The Paper Towns surgiu como um simples blog voltado para o mundo da literatura. A proposta do The Paper Towns é, sem dúvida, criar entretenimento literário diversificado e diferenciado para seus leitores. Temos como objetivo, informar, dar opiniões, resenhar, tudo relacionado com o mundo literário.




Facebook

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *